Site com dicas de viagens.

Alemanha by bike: De Endingen a Rust

Avalie esta postagem

P1020448No segundo dia de pedalada dessa viagem, saímos de Endingen em torno das 9 da manhã. Esse dia fez um frio danado pelas estradas, e ainda por cima o vento soprava mais forte. Nossa meta era Rust, uma pequena cidade famosa pelo seu parque de diversões, o Europa Park.

Me arrependi profundamente de não ter comprado umas luvas que cobriam os dedos por inteiro. As pontas de meus dedos estavam congelando. Pelo menos tínhamos roupa suficiente para não passar frio, assim o sofrimento ficou apenas nos dedos e na cabeça (risos). Às vezes o vento parava um pouco e era um tal de tirar roupa e vestir de novo…

Nesse dia tivemos uma surpresa bastante agradável. Além de pedalar entre campos de milhos, de maçãs e de outras plantações como no dia anterior (post aqui), nesse segundo dia tivemos um “plus”: pedalamos bastante tempo pela margem do rio Reno. Podíamos avistar a França do outro lado!

Passamos por perto da vila de Sasbach famosa pelos vinhedos. Claro que pedalamos também algum tempo entre vinhedos, cobertos de cachos de uvas… Pedalamos também por florestas e entramos em algumas cidadezinhas…

P1020435

Começando a ver o Reno…

P1020438

Barcos ancorados…

P1020444

Pedalando pela beira do Rio

P1020433

Vinhedos

uvas...

uvas…

P1020457

Florestas

Esse dia o pedal não foi tão difícil. Além de tudo foi muito agradável ter o rio Reno como nosso companheiro de viagem por um bom tempo! O previsto era pedalar 30 km, devemos ter pedalado uns 10 a mais…

Ao avistarmos umas montanhas russas já soubemos que estávamos perto de Rust. Interessante que parte da ciclovia passava por dentro do parque e até passamos por baixo de uma das montanhas russas.

P1020481

Montanha russa no Euro Park

Outra montanha-russa

Outra montanha-russa, e passamos por baixo dela (ôps)!

Hotéis dentro do parque

Hotéis dentro do parque

Rust é famosa pelo Europa-Park, o maior parque temático da Alemanha e um dos mais populares da Europa. Muitos ônibus de turismo lotavam o estacionamento do mesmo.

A ciclovia deixou o parque e passamos por umas pontes lindinhas. Deveríamos chegar rapidamente ao hotel, mas a informação no mapa estava truncada (onde era para entrar a direita lá dizia esquerda e vice-versa) o que nos fez dar algumas voltas a mais até chegar no mesmo.

Ponte pertinho do hotel...

Ponte na entrada da cidade…

P1020485

Chegando no nosso hotel (Rebstock)

Em Rust

Fora o parque de diversões a cidade não tem quase nada para se ver. Havia lido que os melhores restaurantes estavam dentro do parque, então depois de um bom banho fomos até lá. Ainda era cedo, no máximo 3 da tarde. Ocorre que para ter acesso aos restaurantes só pagando a entrada para o parque (algo em torno de 40 euros) e como não gostamos de montanhas russas nem de outros brinquedos do tipo, voltamos.

Entrada do Europa Park

Entrada do Europa Park

Então sentamos na terraça de numa pizzaria fora do parque (aliás essa região da Alemanha tem muitos restaurantes italianos) que nos pareceu agradável. Ficamos por lá tomando uma cerveja e observando os arredores e os passantes, enquanto esperávamos a pizza.

Sempre nos surpreendia a quantidade de gente, especialmente idosos, com suas bicicletas, indo pro trabalho, fazendo compras ou simplesmente passeando. Depois de um tempo, vivenciando essa região, essa visão se tornou comum para nós!

Nesse ínterim perguntamos ao garçom onde estava o centro histórico da cidade. Ele respondeu que não tinha centro. Que estranho. Pois era. Na época do planejamento da viagem já havia procurado e não encontrava nada sobre Rust a não ser relacionado ao parque. E realmente só vimos, além de casas, uma lojinha “de tudo um pouco”, um centro de informações turístico (fechado), a igreja e muitos hotéis pequenos (do tipo Gasthaus). Deduzimos que o turismo ali era forte apenas devido ao parque.

Caminhamos um pouco e voltamos para o hotel. Ficamos um tempinho no bar que era bem agradável, aproveitando a wi-fi e tomando um vinhozinho da região. Mais tarde jantamos no restaurante do próprio hotel. Bastante gente apareceu para o jantar, não sei se moradores ou turistas, mas “by the way” pareciam todos alemães.

Bom, depois de uma boa dormida e de um ótimo café da manhã, pegamos de novo a estrada, aliás a ciclovia. Conto aqui sobre o terceiro dia de pedalada…

E saímos pro nosso terceiro dia...

E saímos pro nosso terceiro dia…

Avalie esta postagem


Engenheira por formação, fez doutorado em Madrid onde começou sua paixão pela Europa. Aprendeu, com seus pais, desde criança a gostar de viajar. Adora viajar e diz que "sem viajar não me reconheço"! Escreve sobre suas viagens pelo mundo afora de forma divertida e leve. Escritora por hobby, além desse blog tem dois livros de viagens publicados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...
%d blogueiros gostam disto: