Site com dicas de viagens.

Conhecendo as Cinque Terre de barco e de trem (base em La Spezia)

Avalie esta postagem

Nosso destino principal nessa road trip italiana era a Toscana. Mas uma coisa e outra, terminou que no planejamento aumentamos os dias. Aí incluímos a Costa Amalfitana e uma parada especial em La Spezia para conhecermos as Cinque Terre. Esse foi nosso real começo by car.

1) As Cinque Terre 

As famosas Cinque Terre são cinco lindos e charmosinhos vilarejos encravadas numa grande extensão rochosa (em penhascos) na costa da região da Ligúria, na famosa “Riviera Italiana”.  Fazem parte do Parque Nacional de Preservação e são Patrimônios Mundiais da UNESCO. “De quebra” existe ainda uma sexta terra (Portovenere), embora nem todos a consideram como tal. As cinco são:

1- Riomaggiore

2- Corniglia (que não pode ser acessada por barco, só por trem ou trilhas)

3- Manarola

4- Vernazza

5- Monterosso al Mare

Vernazza

2) Porque a escolha da base em La Spezia?

“Pesquisa ali, pesquisa acolá”, resolvemos que nossa base seria La Spezia.

2.1) Principais motivos da escolha da base em La Spezia:

a-  É uma cidade portuária, pertinho das Cinque Terre, de onde partem barcos para as mesmas. Além dos barcos, tem uma estação ferroviária de onde partem trens para as “terres”. Em poucos minutos você chega de trem na primeira das Terre e em uma meia horinha de barco. Para a chamada “sexta terre”, Portovenere, também tem a opção de ônibus e de carro (além do trem e do barco).

b- É uma cidade plana e fácil de se locomover. Tem um calçadão de pedestres (Via dei Priore)  que começa perto da estação de trem e vai até a beira mar (rua com muitas lojinhas, cafés e restaurantes).

c- O centro histórico é bem interessante, e tem também um passeio/calçadão marítimo amplo e bonito.

d- Tem muitas opções de hotéis e restaurantes.

2.2) Principais motivos para não ficar em uma das “terres”:

a- Você só entra ou sai de cada uma das Cinco Terre apenas de barco ou de trem, com horários especificados (de carro você pode até chegar em Monterroso mas não é muito simples – tem dicas no blog Café Viagem; e para chegar nas outras, desde Monterroso, somente de barco ou trem). Então, achei que iria ficar “meio presa” se ficasse em um dos vilarejos.

b- A maioria dos hotéis são muito simples e/ou mais caros (tem praticamente apenas dois hotéis “de luxo”). Embora essa não seja a principal razão, claro.

c- O acesso com malas não é lá muito conveniente, tendo que possivelmente subir ou descer ladeiras em ruas desniveladas ou de pedras…

2.3) O hotel:

E nosso hotel escolhido foi o NH La Spezia por duas razões: Uma amiga já tinha ficado lá e era frente ao mar (a poucos minutos a pé até onde saem os barcos para as Cinque Terre).

Claro que você pode optar em ficar mais perto da estação ferroviária, por exemplo. Porém a distância entre o local que parte os barcos e a estação de trens gira em torno de vinte minutos à meia hora caminhando. Logo, se você pretende conhecer as Cinco Terre das duas maneiras (barco e trem) tanto faz o local que você escolha ficar.

La Spezia – os barcos que vão às Cinque Terre partem daí!

3) Como chegamos em La Spezia

De Milão no nosso carro alugado rumamos pela estrada até La Spezia, nossa base escolhida. Pretendíamos seguir pela estrada litorânea,  mas uma coisa e outra terminamos nos metendo na auto-estrada (A1/E35/E33).

Obs.¹-  Auto-Estradas: são sinalizadas com ‘A’. São aquelas em que se paga pedágio. As estradas não pagas são as “superstradas”, as “Statale”, e são sinalizadas com ‘SS’. Sempre que entrar numa auto estrada italiana, pegue o ticket em um guichê/cabine na primeira praça de pedágio que você encontrar; geralmente só vai pagar na “sua” saída).

Obs.² –  ZTL (Zona de tráfico limitado): Esteja atento, pois se entrar sem autorização é multado!

Boas explicações sobre pedágio e ZTL você encontra no site “Viajando para a Itália”.

4) Quantos dias são necessários?

Ficamos dois dias que foram suficientes, mas se eu fosse de novo ficaria três dias para curtir mais. Deu para curtir um pouco de Portovenere e curtir bem as Cinque Terre (Manarola, Riomaggiore, Corniglia, Vernazza e Monterosso al Mare). Todas as cinco são maravilhosas. Mas, La Spezia também pareceu ser legal e não tivemos tempo para ela (somente conhecemos “correndo” o caminho entre o hotel e a estação de trem, e passeios à beira-mar).

5) De Barco ou de Trem?

Vários sites/blogs nos orientavam ir de barco e voltar de trem . Porque a vista do barco seria muito e muito mais bonita. Então vou concordar (mas em parte), pois fizemos das duas maneiras.

Chegamos em La Spezia perto das 15h e, no hotel já soubemos que o último barco partiria as 16h. Corremos para pegá-lo, pois vimos a previsão de tempo do dia seguinte que poderia chover.

No barco…

5.1) Barco:

Como já era tarde (embora que o dia só escureça depois das 21h em junho) resolvemos não descer em nenhuma das  primeiras terres (aliás compramos o bilhete só de ida e com um único destino, embora o barco tenha parado em todas). Apenas descemos em dois lugares: Portovenere, onde demos um passeio de uma horinha por lá, e na última “terre”: Monterrosso al Mare, onde ficamos mais tempo (voltamos praticamente no último trem, rsrss).

Portovenere – vista desde o castelo – 

 

Em Monterrosso al Mare

Durante o trajeto do barco, e em cada parada, curtimos a paisagem que era realmente linda (embora estivesse um pouco nublado do meio para o fim da “viagem”). Porém percebemos uma coisa: no lugar em que aportam os barcos, você pode descer até lá a pé quando vem de trem. Então, se tem também a vista de cada vilarejo “lá de baixo” e também de cima para baixo”.

Claro, que o passeio de barco é bem legal. Também a visão, desde o mar, do conjunto das “terres” é mais ampla. Mas se você não tem tempo para conhecer as “terres” de barco, não se preocupe: Vá de trem (super rapidinho, uns 5 minutinhos entre cada uma das terres”), e curta a paisagem desde vários pontos.

OBS.¹. Veja horários e preços dos barcos no site CinqueTerre5. Só lembrando que Corniglia é a única terre que não pode ser acessada por barco (fica lá no alto  da rocha sem acesso pelo mar). Existem várias modalidades: Por exemplo, você pode comprar só ida com uma ou mais paradas ou “ida e volta”. Tem uma possibilidade de comprar um ticket ilimitado que pode “subir e descer” do barco onde e quando quiser no prazo de um dia inteiro.

5.2) Trem:

No dia seguinte para nossa felicidade não choveu. O maior sol lindão, mas como já tínhamos feito o passeio de barco resolvemos então pegar o trem (até porque é mais rápido). Então, esse dia inteiro foi dedicado às Cinco Terre (ôps menos Monterrosso).

Fomos parando de uma em uma cidadezinha, exceto na última (Monterrosso) que já tínhamos curtido no dia anterior.   Na verdade “pulamos” a primeira (Riomaggiore) porque estávamos conversando (ôps). Mas pensamos que não tinha problema pois podíamos parar na volta, o que realmente fizemos.

Então paramos primeiro na segunda: Manarola (a mais lindinha no meu ponto de vista). Depois de Manarola seria Corniglia pela ordem, mas no dia anterior quando o barco deu uma parada rápida em Vernazza, vimos um restaurante encravado nas rochas com a maior cara de top. Daí como era hora de almoço, também pulamos Corniglia, e fomos direto almoçar em Vernazza. E na volta viemos parando nas duas que faltaram: Corniglia e Riomaggiore.

Andanças em Manarola

OBS². Mais informações de horários e preços dos trens no site CinqueTerre5 . Você pode comprar ida e volta ou só ida (ou só volta) ou apenas trechos (de tal vilarejo para tal vilarejo). Lógico que sai mais barato se compra o bilhete “cheio”, que ainda lhe dá direito a um shuttle para acessar Corniglia – o vilarejo que fica mais no alto -. Existe também um tipo de bilhete que você pode usar o trem “sem limite” por 24h. Descendo e subindo de volta quando e onde bem desejar. Não esqueça nunca de validar os bilhetes antes de embarcar.

5.3) Outra opção: Trilhas

Não fizemos… É possível também fazer trilhas entre as “terres”. Embora gostarmos de “trilhar” não fizemos dessa vez, pois nosso objetivo da viagem era outro e não tínhamos muito tempo. Mais informações das trilhas no site CinqueTerre5. 

6) E o que fizemos nas Cinco Terre?

Fizemos muitas coisas legais. Caminhamos muito – que é a melhor forma de conhecer uma cidade -, subimos e descemos ladeiras (é o jeito, né?), curtimos vistas maravilhosas, comemos coisas deliciosas, tomamos vinho e alguns aperol-spritz (a cara da Itália!), e até banho de mar aconteceu (risos). Eu bem que queria ter participado dessas banhos, mas não estava com roupas apropriadas. Porém meu maridote deu conta dessa parte com seu short e camisa que secavam rapidamente hehehe! Eu fiquei só na “inveja” curtindo a paisagem e os banhos de mar dele em Manarola e em Riomaggiore!

Banho em Manarola

No próximo post vou falar mais do que fizemos em cada uma das Terres, incluindo dicas dos restaurantes! Aguardem aí!

 

 

Avalie esta postagem


Engenheira por formação, fez doutorado em Madrid onde começou sua paixão pela Europa. Aprendeu, com seus pais, desde criança a gostar de viajar. Adora viajar e diz que "sem viajar não me reconheço"! Escreve sobre suas viagens pelo mundo afora de forma divertida e leve. Escritora por hobby, além desse blog tem dois livros de viagens publicados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...