Site com dicas de viagens.

Paris: Sempre é bom voltar! (2)

Avalie esta postagem

securedownload (5)O Terceiro dia…

E os dias anteriores? Já contei aqui! Já leram? 😉

Pontos turísticos?

O terceiro dia foi um dia atípico! Resolvemos rever alguns monumentos turísticos. Apenas passar por eles… Acho que deu um “peso na consciência” o fato de ir à Paris e nem passar perto da Torre Eiffel, por exemplo.

Bom, resolvemos pegar um tal de batobus que vi no site Conexão Paris. Não gosto de andar de metrô em Paris, porque acho que Paris é uma cidade pra se ficar admirando a toda hora… Não sou muito fã de ônibus normal, então… O batobus* veio a calhar.

*(No Site Conexão Paris diz que: “Um meio de transporte simpático e barato para ir de um ponto ao outro é o Batobus. Não estou me referindo aos barcos de passeios turísticos – os bateaux mouches. Mas sim ao ônibus-barco que, com a compra de um ticket, você pode embarcar e desembarcar quantas vezes quiser em um mesmo dia”).

O Batobus tem oito pontos “turísticos” de paradas. Tomamos nosso café da manhã no hotel (recebemos de brinde porque esqueceram de arrumar nosso quarto na véspera, rsrsss), e saímos pela “nossa” Rue Seine em direção ao Rio Sena. Em poucos minutos estávamos lá, e seguimos para o Quai Malaquais um dos pontos de parada do barco.

BatoBus-Route-Paris

Pontos de paradas do Batobus

Sempre há um ponto de compra do ticket em cada ponto de parada, mas nesse (o nosso: St Germain-des-Prés, o “amarelinho”) não havia. Um aviso, com pedidos de desculpas, dizia que podíamos pegar o barco e comprar o ticket na próxima parada. Ok! O barco chegou, entramos no mesmo e zarpamos. Vale salientar que estava um pouco vazio, o que deduzimos que pelas manhãs é mais tranquilo. Nossa dedução foi corroborada quando na parte da tarde o barco começou a ficar lotado!

O ponto seguinte, de parada, era a Catedral de Notre Dame, no qual não iriamos parar. Desde nosso hotel, era possível ir a pé até lá! Mas, como tivemos que comprar o ticket aproveitamos, descemos, e entramos na Catedral. Sempre é bom rezar um pouco!

Voltamos ao barco e curtimos um pouco o passeio pelo Sena. Resolvemos descer somente no ponto da Avenida Champs Elysées! Bom, pra chegar lá, tivemos que andar um pouco, claro… Daí tivemos a grata surpresa de passar pela feirinha de Natal que ficava logo antes da famosa avenida. Ainda estava lá, e eu adoro essas coisas!

Em resumo, curtimos muito a tal feirinha! E, como tínhamos um jantar marcado nesse dia, resolvemos comer (almoçar?) na tal feira. E quer saber? Foi ótimo! Comidinhas deliciosas, um tal espeto de carne de boi (yummy!) e um cachorro quente (enorme!) com salsichas de vários lugares da França. Escolhi uma de Toulouse! Adorei! Outro “mico” fantástico!

Olha as salsichas aí na feirinha!!!

Olha as salsichas aí na feirinha!!!

Depois, é claro, chegamos na Champs Elysées! Andamos por lá até chegar ao Arco do Triunfo. De lá, resolvemos ir caminhando até a Torre Eiffel. Eu, meio desorientada, “brigando” com Santiago sobre o caminho certo. Claro que eu não tinha razão! Que saco a pessoa ser confusa ou “areada”, como diz o matuto! Bom, andamos “pra caramba” (pra não dizer outro nome), mas finalmente chegamos lá.

Arco do Triunfo!

Arco do Triunfo!

Uma multidão na Torre! Sinceramente, pra tirar a “culpa” de não passar lá, não vale o sacrifício! Que saco ficar no meio de uma multidão enorme! Se fosse a primeira vez, “vá lá”! Tá bom, já que fomos, tiramos algumas fotos, olhamos pra Torre e fomos “simbora”. “Simbora”? Fomos pegar o batobus de volta. Pense num inferno! Uma fila enorme e começou a chover! Bem, apesar do batobus ser uma alternativa ao metrô e ao ônibus comum, sinceramente não recomendo voltar da Torre Eiffel nele! Melhor você voltar de metrô, de ônibus, de táxi ou a pé! Qualquer coisa é melhor que o batobus votando do ponto da Torre Eiffel!

Na Torre Eiffel. Tem que passar lá, né?

Na Torre Eiffel. Tem que passar lá, né?

Bom, apesar dos pesares, chegamos de volta ao nosso “ponto” e fomos pro nosso hotel descansar. Afinal, tínhamos um jantar marcado no restaurante mais antigo de Paris: o La Petite Chaise! E, além disso, nossos amigos suíços (que conhecemos no Caminho de Santiago, em 2009) estavam em Paris e íamos jantar juntos! Que surpresa agradável!

Finalmente, à noite fomos jantar e foi ótimo! Atendimento perfeito (nos padrões parisienses*, rsrss) e comida “normal”, mas legal! Já avisava nosso “amigo” Eros Grau. O que deduzi (depois de experimentar vários dos recomendados por ele), que ele gosta  de lugares com bom custo-benefício!

securedownload (7)

Em frente ao La Petite Chaise!

* (Padrões Parisienses de atendimento em restaurantes e cafés – Minha opinião: Ao chegar você pode -ou não- ser bem atendido/a! De toda forma, com o “tempo” os garçons passam a lhe atender bem. Ou seja, caso você não seja bem atendido “de cara”, existe a grande possibilidade de “o chato” se transformar em “legal” depois do seu pedido! Ou não. como diz Caetano, rsssrs). No caso do restaurante citado, o atendimento foi bom desde o começo!). 

Conto depois sobre os demais dias… Veja o próximo aqui!

Avalie esta postagem


Engenheira por formação, fez doutorado em Madrid onde começou sua paixão pela Europa. Aprendeu, com seus pais, desde criança a gostar de viajar. Adora viajar e diz que "sem viajar não me reconheço"! Escreve sobre suas viagens pelo mundo afora de forma divertida e leve. Escritora por hobby, além desse blog tem dois livros de viagens publicados.

Comentário para Paris: Sempre é bom voltar! (2)

  • Massa! vou ler o próximo…

    Gorete Macedo 13 de janeiro de 2014 19:51 Responder
    • 😉

      Ana Célia 13 de janeiro de 2014 21:06 Responder
  • De fato caminhar em Paris é fascinante! Se esconder em “autos” é um pecado imperdoável, mesmo para os habitués.
    Que oportunidade maravilhosa vocês tiveram e como souberam curtir!

    Marcia Duarte 14 de janeiro de 2014 23:12 Responder
    • 😉

      Ana Célia 15 de janeiro de 2014 22:28 Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...
%d blogueiros gostam disto: