Site com dicas de viagens.

Roussillon e Gordes: Ares da Provence

Avalie esta postagem

Roussillon, Gordes e Abadia de Senanque: Outro bate&volta desde Aix. De carro, curtindo as estradinhas, a beleza dos campos de lavanda começando a florir… Rumamos direto para Roussillon, sempre parando quando, encantados, víamos lavandas…

Quase como crianças, gritávamos no carro: “pareeeeee” para parar, descer e sentir as lavandas de perto. Se “embolar” pelos campos  no meio das lavandas florindo, vivenciando de fato o prazer de sentir o cheiro e ver “ao vivo” as cores dos campos!

Lavandas nas estradinhas, no começo da floração

De Roussillon fomos para Gordes e ainda para a Abadia de Senanque, um local famoso que sempre aparece nas fotos dos campos de lavanda!

1) Roussillon

Roussillon* é linda. Simplesmente um amor à primeira pisada. Chegamos lá e estacionamos o carro num estacionamento logo na entrada, ao lado do início das trilhas do Ocre (Sentier des Ocres*). Não, não fizemos as trilhas do Ocre, pois depois de tanta trilha em Cassis, no dia anterior, não sobraram pernas nem vontade…

*A característica principal da cidadezinha é sua cor ocre (localizada onde fica o maior depósito de ocre na Europa). O ocre é um pigmento natural utilizado nas primeiras pinturas rupestres e é composto de argilas, areia e óxido de ferro. Sua propriedade colorante inalterável deu origem a sua exploração industrial no século 19. Várias minas foram abertas e o ocre do Luberon (Parque Regional Natural que inclui 66 municípios da Provence e onde se encontra a cidade de Roussillon) foi exportado para o mundo todo.  Uma das antigas pedreiras de ocre, uma paisagem mineral moldada pela mão do homem e pela erosão, pode ser visitada através do “Sentier des Ocres”, uma caminhada de mais ou menos 30 ou 60 minutos (você escolhe a trilha), onde ficava a exploração de ocre da cidade.  

Roussillon

Mas Roussillon, independente de fazer ou não as trilhas, é um lugar lindo simplesmente para curtir, andar à esmo, se perder entre as ruelas curtindo as fachadas das casas provençais e os ares da Provence. Afinal, o ocre se encontra em cada casa, em cada rua, em cada pedacinho de lá! E não é à toa que está entre as mais belas vilas da França.

No estacionamento da entrada da cidade, com Roussillon ao fundo

Para começo de conversa, lá, ao lado do estacionamento, tomei o sorvete de lavanda mais delicioso de toda essa viagem pela Provence!

O melhor sorvete de lavanda!

Então, simplesmente flanamos por lá. Andamos e andamos pelas ruazinhas, em cada canto encontrando mais encantos que nos enchia cada vez mais de vontade de ficar por lá…  Depois de muito andar à esmo, depois de muito curtir a cidadezinha, sentamos num restô (que achamos por acaso: La Sirmonde) só para tomar um vinho, uma cerveja, sei lá… Ainda iríamos para Gordes nesse dia. As duas cidadezinhas estão muito próximas, então valia a pena conhecer as duas no mesmo bate&volta.

Pelas ruazinhas de Roussillon

Roussillon, ocre por todo canto… (não, não sou eu nem minha amiga nessa foto, nem sei quem é, ôps, apenas tirei a foto da rua….)

E tomamos uns drinks nesse restô (La Sirmonde, na parte da frente, da terraça) com excelente vista!

Nós 4 viajantes, brindando!

Mas, se eu tivesse que voltar no tempo não teria saído de lá tao cedo. Gordes é também lindinha, mas amei mais Roussillon. Gosto, nem amores, se discute né?

2) Gordes

A estradinha de Roussillon até Gordes é maravilhosa, cheia de campos de oliveiras, de vinhedos e de trigo, além de papoulas, aquelas flores vermelhas que se vê nos campos, mesmo entre as lavandas. E as lavandas, começando a florir, faziam mais festa nessas estradinhas!

Em Gordes, buscamos um lugar para estacionar. Não pareceu tão fácil como em Roussillon, mas encontramos um lugar. Andamos um pouco e logo a fome bateu à nossa porta ou ao nosso “bucho” como dizemos no nordeste (o “bucho” tem que tá cheio rsrss).

Gordes. Foto tirada de um mirante na estrada.

Nós

E aí encontramos uma ruazinha linda e nela um restô charmosíssimo -e com comida muito boa- (La Trinquette). A rua, simplesmente bela. De um lado casas no estilo provençal, e do outro um muro onde por trás se via uma magnífica paisagem dos campos provençais.

Almoçamos, tranquilamente curtindo a bela paisagem… Depois caminhamos mais um pouco por Gordes e partimos em busca da Abadia de Senanque (um monastério que é famoso pelos seus campos de lavanda).

Olha que restaurante charmosinho… (La Trinquette)

… com essa vista fantástica!

Que tal almoçar nessa varanda?

3) Abadia de Senanque

Demoramos um pouco para encontrá-la. Foi um vai-e-vem pelas estradas, o GPS do carro não funcionava (aliás, funcionava errado – aiaiaia -), e nesse vai-e-vem terminamos achando a tal abadia. Ufa!

A Abadia…

E nós, curtindo essa paisagem linda!

Bom, os campos da Abadia de Senanque ainda não estavam floridos de lavanda, mas valeu a visita. E, de quebra, pelas estradas encontramos muitos outros campos bem mais floridos, lilases e cheirosos!

Campos de lavanda pelas estradinhas…

Avalie esta postagem


Engenheira por formação, fez doutorado em Madrid onde começou sua paixão pela Europa. Aprendeu, com seus pais, desde criança a gostar de viajar. Adora viajar e diz que "sem viajar não me reconheço"! Escreve sobre suas viagens pelo mundo afora de forma divertida e leve. Escritora por hobby, além desse blog tem dois livros de viagens publicados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...