Site com dicas de viagens.

UM GIRO DE TREM PELA SUÍÇA – 1: Zurich (por Zenaide Alves)

Avalie esta postagem

7889___4355551) Um Destino: SUÍÇA (de trem)

2) A história da Viagem

Para unir o útil ao agradável, que era a vontade de conhecer a Suíça e o gostar de viajar de trem, meu marido e eu decidimos fazer essa viagem em setembro de 2012.

Fizemos nosso roteiro de modo a contemplar cidades em cada uma das chamadas “Suíça Alemã”, “Suíça Francesa” e “Suíça Italiana”. Planejamos 4 dias em Zurique, 2 em Lucerna, 3 em Berna, 3 em Interlaken, 4 em Genebra, 3 em Zermatt, 2 em St. Moritz e 3 em Lugano.

Além disso, como Lugano fica a apenas uma hora de trem de Milão (aeroporto internacional mais próximo), ficamos 4 dias em Milão, Itália, antes de embarcarmos de volta ao Brasil.

Aqui vale um parêntese: A Suíça está localizada no centro da Europa, faz fronteira com a França, com a Alemanha, com a Áustria, com Liechtenstein e com a Itália e tem oficialmente quatro línguas: alemão, francês, italiano e romanche, sendo esta última  falada por apenas 0,5% da população. É formada por 26 estados, chamados de cantões.

Pesquisando preços das passagens de trem, que seriam muitas, nos deparamos com o SwissPass e vimos que já seria vantajoso até se considerássemos apenas os deslocamentos principais, ou seja, entre as cidades citadas acima, sem contar que teríamos direito a usar todos os demais transportes públicos suíços, como ônibus, trem e barcos e entradas para vários museus! Nos trens de montanha, que são privados, o swisspass dá direito a descontos que vão de 25% a 50%. Para vocês terem uma ideia de preço, pagamos por um passe para duas pessoas viajando juntas por 23 dias, segunda classe, com up grade para a primeira classe no trecho do Glacier Express e reserva de assentos no mesmo (nos trens panorâmicos é obrigatório fazer a reserva e paga-se uma pequena taxa por isso) 912 francos suíços.

Obs. Créditos da 1ª imagem acima: zuerich.com

 3) As Cidades Visitadas

Como já foi dito, visitamos Zurique, Lucerna, Berna, Interlaken, Genebra, Zermatt,  St. Moritz e  Lugano. Como são muitas faremos uma “série” de posts. Nesse primeiro vamos falar da primeira cidade visitada: Zurique.

3.1) Zurique (Zurich)

Nossa estadia de quatro dias em Zurique foi abreviada para três pela companhia aérea, que cancelou nosso voo e remarcou para o dia seguinte. Não deixamos barato para eles não: entramos na justiça e ganhamos!

Ao chegar em Zurique, a primeira surpresa: a simpatia das pessoas! Pelo menos da moça que nos vendeu o swisspass, ainda no aeroporto, fazendo questão de calcular o preço de todos os trechos para ver se era vantajoso ou não a compra do passe.

Tomamos o trem no aeroporto já usando o nosso passe e descemos na Estação Central de Trens, próximo ao nosso hotel. Na estação, aproveitamos e pegamos o folheto que informa todos os horários de partida e chegada dos trens que passam por lá para planejarmos o nosso horário de partida.

Chegamos cansados e com sono mas, mesmo assim saímos para comer e passear por perto para não perder totalmente o dia. Caminhamos ao longo do rio Limmat  até o lago Zurique.

Com um dia a menos, apelamos para um city tour como forma de ganhar tempo e conseguimos ter uma boa idéia de Zurique.  A cidade é linda e é imprescindível conhecer a St. Peters Kirche com um imenso relógio em sua torre e a Fraumunster, que  foi um convento desativado pela Reforma Protestante e hoje é usada para exposições, tendo vitrais desenhados por Marc Chagall. Mas o skyline de Zurique é marcado mesmo pelas duas torres da Grossmunster, local de início da Reforma Protestante.

Foto 01

Grossmunster

Da Estação Central de Zurique tomamos um trem até a estação Uetliberg e de lá subimos a montanha de mesmo nome com destino ao Hotel-Restaurante Uto Kulm, conhecido como Top of Zurich, na esperança de ver Zurique lá de cima. Qual o quê! A neblina tomou conta de tudo e não vimos nada! Aproveitamos para almoçar.

O que é imperdível:

Estando em Zurique, não deixe de passear pela Cidade Velha e pela Bahnhofstrasse, nem que seja só para olhar as vitrines: essa rua, que começa na Estação Central de Trens, tem um quilômetro de lojas de grifes famosas! E para completar, um passeio pelo Lago Zurique: uma hora vendo lindos vilarejos nas margens. O barco para em diversos piers para que passageiros embarquem e desembarquem. É mais uma opção de transporte público para os moradores (pelo rio Limmat  e que  nós utilizamos diversas vezes).

Transporte  Público pelo Rio Limmat

Transporte Público pelo Rio Limmat

O dia a menos que tivemos em Zurique fez muita falta. Não fomos a lugares que gostaríamos de ter ido e alguns só vimos de passagem, durante o city tour!

Obs. Vejam depois sobre as outras cidades suíças desse roteiro de trem clicando em  LucernaBernaInterlakenGenebraZermatt , St. Moritz e Lugano.

4) Sobre a entrevistada: 

Zenaide Alves de Araújo, natalense, casada, três filhos e um neto. Engenheira Civil, com mestrado e doutorado em Engenharia Mecânica e hoje professora aposentada do Departamento de Engenharia Mecânica da UFRN. Adora viajar, fotografar e colecionar canecas dos lugares por onde passa.

Avalie esta postagem


Engenheira por formação, fez doutorado em Madrid onde começou sua paixão pela Europa. Aprendeu, com seus pais, desde criança a gostar de viajar. Adora viajar e diz que "sem viajar não me reconheço"! Escreve sobre suas viagens pelo mundo afora de forma divertida e leve. Escritora por hobby, além desse blog tem dois livros de viagens publicados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...
%d blogueiros gostam disto: