Site com dicas de viagens.

UM GIRO DE TREM PELA SUÍÇA – 2: Lucerne (por Zenaide Alves)

Avalie esta postagem

lucerne1) Um Destino: SUÍÇA (de trem)

Nessa viagem visitamos Zurique, Lucerna, Berna, Interlaken, Genebra, Zermatt,  St. Moritz e  Lugano. Agora vamos falar sobre Lucerna.

2) A história da Viagem

Começamos contando essa viagem de trem pela Suíça em outro post aqui! Depois de Zurich fomos para Lucerna.

Após uma viagem de 50 minutos chegamos em Lucerna e antes de deixar a Estação de Trens, pegamos as informações sobre os horários de partida e chegada dos trens daquela estação. Deixamos as malas no hotel (ainda não estava aberto o check in) e fomos passear! 

Obs.  A 1ª foto acima é do site musicpsychology.co.uk

3) Lucerna 

A cidade, que pode (e deve) ser percorrida a pé, fica na margem oeste do Lago Lucerna e é cortada pelo Rio Reuss.  Na idade média ela era defendida por muralhas e torres, que ainda podem ser vistas, e pela Ponte da Capela (Kapellbrucke), o cartão postal de Lucerna.

O que é imperdível:

A Ponte da Capela sobre o Rio Reuss é para pedestres, coberta, feita de madeira e data do século XIV. Tem quadros fixados na estrutura de madeira da cobertura, que contam a história de Lucerna e mostram cenas da vida dos 2 santos padroeiros da cidade. Em uma determinada parte do rio ela conecta-se com uma torre octogonal, a Wasserturm. Após um incêndio que a destruiu parcialmente, foi  reconstruída e hoje tem menos painéis pintados, pois apenas parte deles foi restaurada.

Ponte da Capela

Ponte da Capela

Existe uma outra ponte coberta e de madeira sobre o Rio Reuss, é a Spreuerbrucke que também tem pinturas presas à cobertura mostrando a Dança da Morte até a vitória de Cristo sobre ela. Dessa ponte é possível ver um mecanismo que controla o fluxo do rio.

Por todos os lados pode-se ver edificações históricas belíssimas, como a Igreja Jesuíta (Jesuitenkirche) com duas torres com cúpulas em forma de bulbo e interior barroco e a Igreja Franciscana (Franziskanerkirche), a edificação mais antiga de Lucerna. Sem contar a Prefeitura (Rathaus), as pinturas nas fachadas das casas e Hofkirche, igreja que foi destruída por um incêndio e conserva da original as duas torres pontiagudas.

Imperdível também é o Monumento ao Leão (Lowendenkmal), que é uma homenagem à Guarda Suíça de Luís XIV da França, cujos guardas foram dizimados ao defenderem o Palais des Tuileries,  em Paris. O monumento é um leão ferido por uma lança e em agonia, entalhado num bloco de arenito. É emocionante!

Monumento ao Leão

Monumento ao Leão

Outro local interessante é o Gletschergarten, que abriga uma rocha enorme da Era Glacial, com muitos caldeirões e orifícios, protegida por uma tenda (no dia que fomos lá, artistas ensaiavam uma peça no local). Além de um belo jardim há, também, uma exposição sobre os processos geológicos, um museu e um labirinto de espelhos.

Contrastando com tantos edifícios históricos, um prédio ultra moderno de vidro e aço,  o Centro de Cultura  e Convenções de Lucerna (Kultur und Kongresszentrum Luzern) ou simplesmente KKL abriga salas de concerto, de conferências, teatros e um museu.

E nos arredores..

Nesses dois dias em Lucerna ainda tivemos tempo de ir ao Monte Pilatus com 2.132 metros de altura e muito próximo da cidade. O passeio  é uma round trip e pode ser feito em qualquer um dos dois sentidos. Fomos de trem até a Pilatus-Bahn (a estação de trem do Pilatus) e lá compramos a passagem para todo o percurso (portadores do swiss pass tem um desconto de 50%). Subimos a montanha em um trem com cremalheira (rodas dentadas) pela estrada de ferro mais íngreme do mundo (com até 48% de inclinação em alguns trechos).

Aliás o que vimos de obras de engenharia na Suíça é pra deixar qualquer engenheiro de queixo caído! Chegamos ao cume ainda com céu bonito, mas em pouco tempo um vento gelado e uma neblina intensa tomou conta de tudo. Não deu pra fazer nenhuma caminhada lá por cima. A descida, por meio de teleférico, é feita em duas etapas e entre as duas tem um parque de cordas com brinquedos radicais, que estava lotado, apesar da neblina. Na base da montanha, tomamos um ônibus e retornamos a Lucerna.

Monte Pilatus

Monte Pilatus

Depois vejam os posts da outras cidades desse roteiro clicando em  ZuriqueBernaInterlakenGenebraZermatt , St. Moritz e Lugano

4) Sobre a entrevistada: 

Zenaide Alves de Araújo, natalense, casada, três filhos e um neto. Engenheira Civil, com mestrado e doutorado em Engenharia Mecânica e hoje professora aposentada do Departamento de Engenharia Mecânica da UFRN. Adora viajar, fotografar e colecionar canecas dos lugares por onde passa.

Avalie esta postagem


Engenheira por formação, fez doutorado em Madrid onde começou sua paixão pela Europa. Aprendeu, com seus pais, desde criança a gostar de viajar. Adora viajar e diz que "sem viajar não me reconheço"! Escreve sobre suas viagens pelo mundo afora de forma divertida e leve. Escritora por hobby, além desse blog tem dois livros de viagens publicados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...
%d blogueiros gostam disto: