Site com dicas de viagens.

UM GIRO DE TREM PELA SUÍÇA – 6: Zermatt (por Zenaide Alves)

Avalie esta postagem

zermatt-hotel_2386991b1) Um Destino: SUÍÇA (de trem)

Zurique, Lucerna, Berna, Interlaken, Genebra, Zermatt,  St. Moritz e  Lugano.

2) A história da Viagem

Depois de ZuriqueLucernaBernaInterlaken e Genebra, chegou a vez de Zermatt (para ver os posts das cidades anteriores clique nos nomes das mesmas).

A viagem  entre Genebra e Zermatt durou 4 horas e 10 minutos, com uma troca de trem em Visp. O trecho Visp-Zermatt foi o pior de toda a viagem, apesar de não ser ruim. O trem estava muito cheio, várias pessoas em pé e as bagagens soltas nos vãos entre os vagões porque não havia espaço para acomodá-las. Quando entramos no trem vimos alguns lugares reservados (havia um aviso na janela, escrito em alemão), mas não sabíamos exatamente do que se tratava. Alguns passageiros se acomodaram nesses lugares e então uma funcionária se dirigiu a eles de uma forma um tanto ríspida e aí eles retrucaram no mesmo tom. Na verdade, não sabemos se a conversa foi realmente acalorada ou se o alemão nos deu essa impressão. Eles continuaram sentados e quando o trem parou em uma determinada estação, todos se levantaram e um grupo de crianças, portando material escolar, entrou no trem e se acomodou nos lugares! A reserva era para eles, que, por sinal, conversavam em português (sotaque de Portugal). Já havíamos observado que a colônia portuguesa na Suíça é imensa, pois vários funcionários nos hotéis, barcos e restaurantes eram portugueses. Em Zermatt isso ficou mais que comprovado!

Obs. Fonte da 1ª foto acima de Zermatt.

3) O que é imperdível em Zermatt

Conhecida estação de esqui, Zermatt é cercada por montanhas de mais e 4000 metros de altitude e está aos pés da Matterhorn, a montanha símbolo da Suíça, apesar da linha de fronteira entre a Suíça e a Itália passar exatamente pelo cume da montanha, o que a torna metade italiana com o nome de Cervino!

Recebe turistas o ano inteiro para caminhadas, montanhismo e, claro, para a prática do esqui, que é possível mesmo fora da temporada: vimos vários esquiadores quando visitamos o Klein Matterhorn (pequeno Matterhorn), em plena primavera!

Em Zermatt não é permitido automóveis; pequenas vans elétricas são usadas como táxis e pelos hotéis, que normalmente oferecem o serviço de transporte aos hóspedes e cobram uma pequena taxa por isso. A cidade pode ser toda percorrida à pé, portanto o serviço das vans só é necessário quando se está com malas. Solicitamos esse serviço ao nosso hotel e, quando chegamos, um simpático português nos esperava na estação. Aliás, todos os funcionários do hotel com quem tivemos contato eram portugueses.

O rio que passa por Zermatt  é o Matter Vispa e junto a ele tem-se uma vista deslumbrante do Matterhorn.

Rio Matter Vispa com o Matterhorn ao Fundo

Rio Matter Vispa com o Matterhorn ao Fundo

O Museu do Matterhorn, com entrada livre para os portadores do swisspass e onde toda a história do montanhismo na região está documentada, deve ser visitado. Próximo à igreja no centro da cidade há um cemitério com um grande número de túmulos de escaladores que perderam a vida nas montanhas de Zermatt.

Passear pelas ruas de Zermatt é um deslumbramento para os olhos! Cheia de hotéis, bistrôs, restaurantes, cafés e lojas (caras). Bem próximo ao centro há um núcleo bem preservado de casas de madeira que dá uma idéia de como era o povoado há 400 anos.

Núcleo de Casas Preservadas

Núcleo de Casas Preservadas

Dentre os vários passeios disponíveis pelas montanhas de Zermatt, fizemos o Klein Matterhorn (3883 metros), para conhecer o Glacier Paradise. Tomamos um primeiro teleférico, denominado Matterhorn-Express, que nos levou até a estação de Furi, de onde tem-se uma vista deslumbrante, com o Matterhorn a nossa frente! De Furi, um outro teleférico, bem maior, vai até o Glacier Paradise, com pistas de esqui, túnel escavado no gelo com amplas salas com esculturas e mirantes que nos permitem ver mais de 40 cumes com mais de 4000 metros em dias claros. E o nosso dia lá foi sensacional! Ah! Nesses teleféricos o desconto com o swisspass foi de 50%.

Glacier Paradise – Pistas de Esqui

Glacier Paradise – Pistas de Esqui

Glacier Paradise – Esculturas de Gelo

Glacier Paradise – Esculturas de Gelo

Foto 20

Glacier Paradise – Mirante

De Zermatt fomos a St Moritz. E vale a pena contar sobre esse percurso no trem Glacier Express.

Glacier Express

A nossa viagem entre os dois mais famosos vilarejos de montanha suíços, Zermatt e St. Moritz, merece atenção especial. Fizemos esse percurso no trem panorâmico Glacier Express, conhecido como o trem expresso mais lento do mundo. São necessárias 7 horas e 30 minutos para que ele vença a distância entre as duas cidades. Logo ao comprar o swisspass  fizemos o up grade desse trecho para a primeira classe e a reserva de assentos, que é obrigatória nos trens panorâmicos. O trem possui serviço de bordo especial (pago à parte), com almoço feito na cozinha do trem e servido nos nossos assentos.

Glacier Express

Glacier Express

Serviço de Bordo do Glacier Express

Serviço de Bordo do Glacier Express

O dia de nossa viagem foi excepcionalmente bonito e a paisagem que passavam diante de nós eram de tirar o fôlego! O difícil era tirar fotografias devido aos reflexos das enormes janelas. Passando por 291 viadutos (alguns em curva, verdadeiras obras primas de engenharia) e através de 91 túneis, o Glacier Express nos brindava com montanhas, vilarejos e riachos, ou seja, com tudo que nos remete à Suíça!

Paisagem dos Alpes Suíços

Paisagem dos Alpes Suíços

Obs. Próximo post: St. Moritz!

4) Sobre a entrevistada: 

Zenaide Alves de Araújo, natalense, casada, três filhos e um neto. Engenheira Civil, com mestrado e doutorado em Engenharia Mecânica e hoje professora aposentada do Departamento de Engenharia Mecânica da UFRN. Adora viajar, fotografar e colecionar canecas dos lugares por onde passa.

Avalie esta postagem


Engenheira por formação, fez doutorado em Madrid onde começou sua paixão pela Europa. Aprendeu, com seus pais, desde criança a gostar de viajar. Adora viajar e diz que "sem viajar não me reconheço"! Escreve sobre suas viagens pelo mundo afora de forma divertida e leve. Escritora por hobby, além desse blog tem dois livros de viagens publicados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...
%d blogueiros gostam disto: